Arquivo da tag: audiência

Brasil tem 62,3 milhões de pessoas com acesso à internet

Press release do Ibope Nielsen Online, empresa que faz a medição da internet brasileira residencial, faz a projeção de que existem 62,3 milhões de pessoas conectadas à internet hoje no Brasil (em suas residências, no trabalho, nas escolas, em lan-houses, bibliotecas ou telecentros). Não somos uma China, mas já fazemos barulho, não é não?Copio o texto que acabo de receber:

Internet residencial cresceu 13,6% em um ano

Número de usuários ativos manteve-se estável em relação ao mês anterior; o Brasil permaneceu na liderança do tempo de navegação por pessoa.

Considerando os brasileiros de 16 anos ou mais de idade com posse de telefone fixo ou móvel, o IBOPE projeta a existência de 62,3 milhões de pessoas com acesso à internet em qualquer ambiente (residências, trabalho, escolas, lan-houses, bibliotecas e telecentros).

O Brasil manteve-se na liderança do tempo de navegação, entre os países medidos com a mesma metodologia, com o tempo de 24 horas e 7 minutos por pessoa. Houve diminuição de 8% do tempo navegado na comparação com março de 2009 e crescimento de 6% sobre abril do ano passado. O internauta do Reino Unido, com 23 horas e 3 minutos, foi o que mais se aproximou do tempo de navegação domiciliar do brasileiro. Foi seguido pelo internauta do Japão, com 22 horas e 53 minutos, e pelo da França, com 22 horas e 15 minutos.

Em abril os principais crescimentos da audiência única foram registrados principalmente nas subcategorias ‘Fotografia’, com evolução de 11,7%, e de ‘Jogos e Loterias’, com aumento de 10,7%. Também houve maior navegação em sites de moda.

Na comparação com abril de 2008, a categoria ‘Viagens e Turismo’ acumula crescimento de 28%, seguida por ‘Entretenimento’, com evolução de 16%, e de ‘Comércio Eletrônico’, com 15%.

O número de pessoas que navegaram na internet residencial foi de 25,5 milhões em abril, segundo o IBOPE Nielsen Online, o que representa estabilidade em relação ao mês anterior e crescimento de 13,6% sobre o abril de 2008.

Com banda larga, internauta navega mais tempo em março

Ibope Nielsen Online, que mede a audiência residencial no Brasil, divulga os números da internet residencial do Brasil relativos a março. Eles revelam que o brasileiro navegou mais de 26 horas no mês e que o crescimento da banda larga contribuiu para a elevação do tempo online do internauta residencial para a marca inédita de 26 horas e 15 minutos. Copio o press release:

Em março de 2009, o número de usuários ativos da internet residencial chegou a 25,5 milhões, segundo o IBOPE Nielsen Online, o que representa um crescimento de 2,6% sobre o mês de fevereiro de 2009 e de 12% sobre março de 2008. Pessoas que moram em residências em que há computador com internet somaram 38,2 milhões.

Considerando os brasileiros de 16 anos ou mais de idade com posse de telefone fixo ou móvel, o IBOPE projeta a existência de 62,3 milhões de pessoas com acesso à internet em qualquer ambiente (residências, trabalho, escolas, lan-houses, bibliotecas, telecentros).

“A substituição da linha discada pela banda larga vem sendo a principal responsável pelo aumento do uso da internet em residências no início de 2009″, explicou José Calazans, analista de Mídia do IBOPE Nielsen Online.

Navegaram por meio de banda larga em março 88% dos usuários ativos, ou 22,3 milhões de pessoas, crescimento de 7,7% sobre fevereiro de 2009 e de 22% sobre março de 2008. A quantidade de pessoas que se conectam com linha discada, que se mantinha em torno de 4 milhões por mês nos últimos dois anos, caiu para 3,2 milhões em março.

O tempo de navegação por pessoa atingiu a marca inédita de 26 horas e 15 minutos, crescimento de 18% no mês e de 10% em relação a março de 2008. Os países que mais se aproximaram do Brasil em tempo individual de navegação foram o Reino Unido, com 25 horas, a França, com 24 horas, e a Alemanha, com 23 horas e 53 minutos por pessoa.

Em março, o internauta brasileiro com linha discada navegou por um tempo de 17 horas e 11 minutos e o usuário de banda larga somou 27 horas e 28 minutos de navegação.

Tempo de navegação por pessoa e páginas vistas por pessoa – internet domiciliar março/2009

tempo de navegação

páginas por usuário

Brasil

26:15

1.972

Reino Unido

25:00

1.736

França

24:00

1.911

Alemanha

23:53

1.971

Japão

23:40

1.810

Espanha

23:33

1.734

EUA

22:29

1.486

Austrália

21:17

1.266

Itália

21:16

1.630

Suíça

19:46

1.472

Fonte: IBOPE Nielsen Online

As categorias com maior crescimento no mês de março foram ‘Ocasiões Especiais’, com aumento de 35%, ‘Governo’, com 19%, ‘Automóveis’, com 16%, além de ‘Casa e Moda’, ‘Finanças e Investimentos’ e ‘Educação e Carreiras’, que registraram 15% de crescimento mensal. Também cresceu a procura por sites de esportes, de pesquisa escolar e de vídeos.

Na comparação com março de 2008, cresceram mais as categorias ‘Informações Corporativas’, com evolução de 33%, ‘Viagens e Turismo’, com 28%, e ‘Comércio Eletrônico’, com 21%.

Redes sociais e blogs são mais procurados que e-mail

Recebo o press release do Ibope Nielsen com números do acesso global com o título: Redes de relacionamento e blogs são agora a 4ª atividade on-line mais popular, acima de e-mail pessoal. Pinço ali outra movimentação relevante: O maior aumento no número de visitantes em sites veio de pessoas com 35 a 49 anos. Copio o press release, sempre útil para quem precisa de índices para a internet:

“Visitado por mais de dois terços (67%) da população on-line mundial, os ‘Member Communities’ que englobam as redes de relacionamento e blogs se tornaram a quarta categoria on-line mais popular – à frente do e-mail pessoal. O crescimento é duas vezes maior que qualquer outro dos quatro maiores setores (busca, portais, software para PC e e-mail), de acordo com um abrangente relatório da The Nielsen Company “Global Faces and Networked Places” (faces globais e lugares plugados) disponibilizado recentemente, documento que revela a nova marca global das redes de relacionamentos.

“Redes de relacionamento tem se tornado uma parte fundamental da experiência on-line mundial” afirma John Burbank, CEO da Nielsen Online. “Embora dois terços da população on-line global já acessem os sites community member, a vigorosa adoção e migração de tempo não mostra sinais de redução. As redes de relacionamento irão continuar a alterar não só o cenário on-line mundial mas a experiência do consumidor. Este estudo mostra como.”

De acordo com o relatório da Nielsen, o Facebook – a rede de relacionamento mais popular no mundo – é acessado por três em cada 10 pessoas on-line por mês, em nove mercados onde a Nielsen pesquisa o uso da rede de relacionamento. O Orkut no Brasil possui o maior alcance on-line doméstico (70%) que qualquer outra rede de relacionamento nestes mercados.

O relatório fornece insights sobre a constante mudança no tamanho e composição da audiência da rede de relacionamento global e sobre a crescente participação do tempo na internet que isto representa. O estudo também analisa como os principais provedores estão convivendo e o que os publicitários e editores podem fazer para tirar vantagem deste fenômeno de rede de relacionamento.

Outras descobertas chaves incluem:

- Um em cada 11 minutos on-line no mundo é decorrente dos sites de redes de relacionamento e blogs;

- A audiência das redes de relacionamento e blogs está se tornando mais diversificada em termos de idade: o maior aumento nos visitantes dos sites Member Community no mundo vem do grupo com 34-49 anos de idade (+11.3 milhão);

- Celulares estão tendo um crescente e importante papel nas redes de relacionamento. A Nielsen descobriu que a rede de celulares na Inglaterra possui a maior propensão de acessar as redes de relacionamento via seus aparelhos portáteis, com 23 % (2 milhões de pessoas), comparado com 19% nos EUA (10.6 milhões de pessoas). Estes números representam um grande aumento desde o ano passado – 249% na Inglaterra e 156% nos Estados Unidos.

“As redes de relacionamento não estão apenas crescendo rapidamente, mas também evoluindo em abrangência de audiência assim como adquirindo novas funções,” diz Alex Burmaster, autor do estudo e Diretor de Comunicações através da EMEA para a Nielsen Online. ” Nos sentimos obrigados a analisar o status do mercado global das redes de relacionamentos e considerar quais as implicações que isto traz para nossos clientes, editores e publicitários.”

Entre os mercados que a Nielsen mensurou, a penetração das visitas as redes de relacionamentos e blogs foram maiores no Brasil, onde 80% da audiência on-line acessa tais sites. A participação do tempo geral na internet nas redes de relacionamento e blogs também foram maiores no Brasil, onde quase um em quatro (23% minutos gastos on-line são usados nestes tipos de sites.”

Números da internet no Brasil: acesso em casa para 38 milhões

É considerável o número de pessoas que navegaram na internet a partir de suas residências durante o mês de novembro: 38 milhões de pessoas, segundo dados do Ibope//Netratings. “Além de redes sociais, brasileiro começa a navegar mais em sites de automóveis, e-commerce, notícias, buscadores, e-mail e casa e moda”, diz o press release da empresa.

“O número de pessoas que moram em residências em que há computador com acesso à internet subiu para 38,2 milhões, crescimento de 5% sobre o trimestre anterior e de 19% sobre o mesmo período do ano passado, segundo o IBOPE//NetRatings. Em dois anos, o crescimento foi de 73%. Dessas pessoas com acesso, 24,4 milhões navegaram em novembro, aumento de 3% sobre o mês de outubro e de 13% sobre novembro de 2007.”

Passamos do be-a-bá

Com dados estatísticos, o analista Calazans chegou à mesma conclusão que eu, com base no meu achômetro. O brasileiro já avança alguns passinhos na navegação além do be-a-bá. A coleção Conquiste a Rede, que comecei a escrever em 2005 e que foi lançada no ano seguinte, combinava com esse primeiro ciclo.

“Os internautas dos outros países têm aumentado seu tempo de permanência, atraídos principalmente por sites de relacionamento social, que são os conteúdos que mantêm as pessoas por mais tempo conectadas”, diz José Calazans, analista de mídia do IBOPE//NetRatings.

Tá na moda

“No Brasil, esses sites de comunidades sempre representaram também a maior parte do tempo on-line, mas outras categorias vêm crescendo acima da média em tempo de navegação por pessoa. ‘Automóveis’, ‘Casa e Moda’, ‘Comércio Eletrônico’, ‘Notícias e Informações’, ‘Buscadores’ e ‘E-mail’ foram as que registraram o maior aumento do tempo de permanência por usuário nos últimos seis meses.

As redes sociais e a possibilidade de se relacionar com os amigos atraem os usuários, que então passam a navegar também em outros sites. Nesse aspecto, os novos internautas brasileiros, que compraram computador nos últimos dois anos, já superam a fase de conhecimento da internet pelas redes sociais e começam a descobrir os outros conteúdos disponíveis na rede.”

Números da internet no Brasil: crianças e mulheres de olho no esporte

Copio abaixo o press-release do Ibope sobre a audiência da internet nos domicílios brasileiros. A novidade é a popularidade dos esportes (Olimpíadas) também entre mulheres e crianças.

No mês da Olimpíada, sites de esportes atingiram 10,8 milhões de pessoas

Em agosto, o Brasil chegou à marca de 24,3 milhões de internautas residenciais ativos, que são as pessoas que usaram a internet em casa pelo menos uma vez no mês; 44,5% destes navegaram em sites esportivos. Em agosto de 2008, 24,3 milhões de pessoas usaram a internet a partir de computadores domiciliares no Brasil, segundo o IBOPE//NetRatings.

Esse número é 2,6% maior que o do mês anterior e 26,1% superior ao de agosto de 2007. Em dois anos, o uso da internet residencial cresceu 78%. O número de pessoas que moram em residências em que há computador com acesso à internet também cresceu e atingiu 36,3 milhões. O tempo de navegação do brasileiro em agosto de 2008 foi de 23 horas e 50 minutos, 4,3% menos que o tempo de julho, porém 1,6% mais que o de agosto de 2007 e 19,2% maior que o de agosto de 2006.

O Brasil continua com o maior tempo por pessoa entre os dez países acompanhados pela pesquisa da Nielsen Online, logo à frente do Reino Unido, que em agosto alcançou 21 horas e 45 minutos, e da Alemanha, que ficou com 21 horas e 2 minutos.

Para todos os ambientes (residências, trabalho, escolas, lan-houses, bibliotecas, telecentros) o IBOPE//NetRatings passou a indicar a marca de 42 milhões de pessoas com 16 anos ou mais de idade com acesso à internet, no segundo trimestre de 2008.

Na navegação domiciliar, a categoria que mais cresceu percentualmente no período de um ano foi “Viagens e Turismo”, com evolução de 52,2%, seguida por “Notícias e Informações”, que apresentou crescimento de 35,9%, e por “Comércio Eletrônico”, que aumentou 34,6%. Na comparação com o mês anterior, cresceram proporcionalmente mais “Educação e Carreira”, com 11,3%, e “Família e Estilos de Vida”, com 7,3%.
Por causa da realização dos Jogos Olímpicos de Pequim, o grupo dos sites de “Esportes” registrou o maior crescimento em números absolutos em agosto, ao ganhar 1,9 milhão de novos usuários e atingir audiência de 10,8 milhões de pessoas.

O número de usuários de sites de “Esportes” no Brasil correspondeu a 44,5% do total de usuários ativos do mês e superou os 42,2% de alcance de julho do ano passado, quando foram realizados os Jogos Pan-Americanos Rio 2007. Também foi o maior alcance durante a Olimpíada entre os dez países monitorados com a mesma metodologia. Navegaram em sites esportivos em agosto de 2008 42,2% dos internautas domiciliares da França e 42,1% do Reino Unido. “Em alguns países europeus, os internautas navegaram mais em sites de esportes no mês de junho, durante a Eurocopa 2008”, informou José Calazans, analista de mídia do IBOPE//NetRatings.

“O que diferenciou o Brasil dos demais países foi o interesse dos internautas brasileiros pelos jogos ter começado já em julho, sobretudo entre as mulheres, além de uma maior procura por vídeos durante a competição”, comentou o analista. “O Brasil também apresentou forte crescimento da proporção de crianças navegando em sites esportivos no mês da Olimpíada.”

A paixão da nova geração: números da internet de julho

Estatísticas sobre a internet brasileira no mês de julho de 2008 mostram o que a gente já sabe: os jovens brasileiros são malucos por internet, tem paixão pela rede, navegam por muitas horas. O que é novidade é o índice de crescimento que mede a intensidade dessa paixão e que continua cravando novos recordes. Copio abaixo o press-release que o Ibope//NetRatings divulgou hoje:

Férias escolares colaboram para novos recordes da internet brasileira

Em julho, foram 23,7 milhões de internautas residenciais ativos, com média de 24 horas e 54 minutos de navegação por pessoa.

Em julho de 2008, 23,7 milhões de pessoas usaram a internet residencial, segundo o IBOPE//NetRatings, número 3,5% superior ao apurado em junho de 2008 e 28% maior que os 18,5 milhões divulgados em julho de 2007. Este é o número mais representativo já observado desde o início da pesquisa, em setembro de 2000. A quantidade de pessoas com acesso residencial à internet, dado que é trimestral, continuou a indicar que 35,5 milhões de pessoas podem acessar a rede mundial de computadores a partir de seus lares.

Com 24 horas e 54 minutos por pessoa, 1 hora e 42 minutos mais do que o tempo de junho e maior patamar já alcançado no país desde o início da pesquisa, o brasileiro continuou a ser o internauta residencial que mais navegou, se comparado com os outros nove países medidos com a mesma metodologia: Além de nosso país, Estados Unidos, Austrália, Japão, França, Alemanha, Itália, Suíça, Espanha e Reino Unido.

“Tradicionalmente, o mês de julho, por ser férias escolares e por ser a internet a principal atividade para parte dos jovens estudantes, mostra crescimento no tempo de consumo desta mídia”, comenta Alexandre Sanches Magalhães, gerente de análise do IBOPE//NetRatings. “A relação que o usuário mais jovem tem com a internet é de paixão extrema, ao contrário das gerações que nasceram sem a web”, complementa o executivo.

Os países que mais se aproximaram do tempo residencial médio do internauta brasileiro foram a Alemanha (21h06min), os Estados Unidos (20h50min), a França (20h17min) e o Japão (19h21min).
As categorias com melhor desempenho por número de usuários residenciais em julho, comparando com junho de 2008, foram: “Informações Corporativas”, com crescimento de 16,5%, atingindo 9,1 milhões de internautas, “Finanças, Seguros e Investimentos”, que cresceu 5,9% e recebeu 9,7 milhões de visitantes únicos, “Automotivo”, com 5,6% de aumento no número de usuários e com visitas de 3,8 milhões de pessoas, “Computadores e Eletrônicos”, que cresceu 5,4% em número de usuários, atingindo 18,8 milhões de brasileiros, além de “Entretenimento”, cujo crescimento no período atingiu 4,5%, recebendo a visita de 19,4 milhões de brasileiros.

Já no período de um ano, enquanto a internet residencial ativa cresceu 28% em número de usuários, algumas categorias demonstraram melhores resultados: “Viagens e Turismo” (56,4%), “Informações Corporativas” (42,2%), “Automotivo” (36%), “Notícias e Informações” (35,2%) e “Computadores e Eletrônicos” (34,2%).

“Dois setores chamam a atenção: “Informações Corporativas”, categoria que concentra sites que dão informação sobre a empresa e suas atividades, mas não focam em venda e “Finanças, Seguros e Investimentos”, com os sites dos bancos, cartões de crédito, on-line brokers, seguradoras e informações financeiras. A primeira categoria indica que as pessoas vão diretamente à internet quando querem saber o endereço de uma empresa, saber se ela está desenvolvendo alguma ação social, cadastrar seu currículo, entre outras atividades. A segunda categoria voltou a conquistar a confiança do internauta residencial, depois de ficar estagnada após várias campanhas alertando os usuários sobre falsos sites de bancos e fraudes”, analisa Magalhães.

Os dados relativos ao primeiro trimestre de 2008 do Global Internet Trends – GNetT continuam indicando que 41,565 milhões de pessoas com 16 anos ou mais declararam ter acesso à internet em qualquer ambiente (casa, trabalho, escola, cybercafés, bibliotecas e outros locais).

Brasil: 53% de aumento de internautas com banda larga

Os dados relativos a abril de 2008 do Ibope//NetRatings mostram que os internautas ativos com banda larga cresceram 53% em um ano, que o Brasil continua com o maior consumo de internet, em tempo de navegação e em páginas vistas e que as redes sociais levam o brasileiro a consumir mais páginas de internet.

Copio o press release:

“Em abril de 2008, 22,4 milhões de pessoas usaram a internet residencial, segundo o IBOPE//NetRatings, 41,3% mais que os 15,9 milhões de abril de 2007, o maior aumento entre os dez países monitorados pela Nielsen//NetRatings. Dos usuários ativos de abril, 82% ou 18,3 milhões navegaram por banda larga, crescimento de 53% na comparação com os 11,9 milhões registrados em abril de 2007.

Com 22 horas e 47 minutos por pessoa, em média, o tempo de navegação também aumentou na comparação com abril do ano anterior, ao evoluir 4,9%. A média de páginas abertas por usuário foi de 1.868 no mês e o total de pessoas que moram em residências em que há computador com internet, que é atualizado trimestralmente, ficou em 34,1 milhões.

Para todos os ambientes (residências, trabalho, escolas, lan-houses, bibliotecas, telecentros) o IBOPE//NetRatings continua indicando a marca de 40 milhões de pessoas com 16 anos ou mais de idade com acesso à internet, número relativo ao quarto trimestre de 2007.

O Brasil continua com o maior consumo individual de internet domiciliar, tanto em tempo de navegação quanto em média de páginas por pessoa. Os países que mais se aproximaram do Brasil em tempo de navegação em abril foram a França, com 20 horas e 12 minutos, e os Estados Unidos, com 19 horas e 33 minutos por usuário. Em consumo de páginas, o internauta residencial francês também foi o que mais se aproximou do brasileiro, abrindo 1.765 páginas.

“Mas o maior crescimento do consumo de páginas neste momento vem ocorrendo entre as crianças até 11 anos e entre os adulto de 25 a 49 anos, refletindo o aumento do interesse dos internautas dessas faixas etárias pelos sites de comunidades”, disse o analista. “O crescimento do uso de redes sociais pelos adultos, que já são os maiores usuários de sites de bancos e de comércio eletrônico, indica que as empresas em geral também podem aproveitar o potencial das comunidades on-line para melhorar sua relação com esse público, que em geral tem mais renda e apresenta maior probabilidade de conversão em consumidores”.

Estatísticas da internet do dia

peixeflor peixeflor

Às vésperas do dia da mentira, o dia 31 traz um menu do dia de estatísticas da internet:

  • Metade dos espanhóis (49,6%) usa internet. Só 8% a desconhecem. Busca é o uso mais comum.
    Dados do Centro de Investigaciones Sociológicas (CIS) divulgados pelo El País.
  • Mais da metade dos adultos americanos assiste a vídeos online. 78% dos internautas americanos usam banda larga.
  • Entre 25 e 60 anos, a habilidade para usar sites diminui 0,8% por ano – principalmente porque as pessoas passam a gastar mais tempo por página e também por dificuldades com a navegação. Dados divulgados por Jakob Nielsen
  • Em tempo, acrescento: mais de 50% dos britânicos se sentem ignorantes digitais. Dados da BT Home IT Support, via IDG Now.

O veredicto para o jornalismo cidadão sugere limitações

Está no relatório The State of the News Media 2008: “O veredicto para o jornalismo cidadão no momento sugere limitações”. Bonito esse rococó para dizer: “não é tudo aquilo que se dizia ser”. Está na quinta edição do relatório Anual do Projeto para Excelência em Jornalismo (Project for Excellence in Journalism – journalism.org), que aponta as tendências da mídia nos Estados Unidos.

Isso é apenas o começo do relatório. É bombástico. Vamos por episódios, como se fosse uma novela.

A realidade é cada vez mais complexa

“Os críticos tendem a ver a tecnologia como promotora da democratização da mídia e o jornalismo tradicional em declínio. O público, dizem, fragmentou-se com as novas fontes de informação. Algumas pessoas até disseminam a noção de “Cauda Longa” (Long Tail).

A realidade surge cada vez mais complexa. Mesmo com tantas novas fontes, mais pessoas consomem hoje o que as redações tradicionais (antigas) produzem do que antes, principalmente da imprensa escrita. Os sites do top 10, ligados a velhas marcas, pertencem a uma oligarquia que comanda uma parte maior da audiência do que comanda nos veículos tradicionais. O veredicto para o jornalismo cidadão sugere limitações. As pesquisas mostram que blogs e sites ligados a assuntos públicos atraem uma audiência menor do que se esperava e são produzidos por pessoas com formação ainda mais de elite do que os jornalistas.”

Pensar como um internauta

Acompanho o debate sobre a produção de conteúdo pelo público – jornalismo grassroots, open source, código aberto, colaborativo, enfim, jornalismo cidadão – com atenção. Poucas gerações têm a oportunidade de testemunhar uma transformação tão drástica, em tão pouco tempo, na comunicação. Por isso acredito ser importante prestar atenção àquilo que um relatório desses diz. É um dado novo no tabuleiro.

Como procurei registrar nos posts anteriores, com trechos do debate promovido pela BBC sobre o tema, a produção de conteúdo feita pelo internauta é assunto do momento, cheio de arestas e partes mal iluminadas. Os grandes portais brasileiros deram depoimentos preciosos. Estou a mastigar o que eles disseram antes de opinar, mas saltou as olhos que a BBC, como empresa jornalística tradicional, mostra-se ágil para incluir o internauta como produtor de informação.

A meu ver, uma das maiores falhas que se pode cometer na reestruturação das redações é uma abordagem de empresa aqui, usuário lá. É um erro ater-se à identificação de oportunidades para tirar proveito daquilo o “usuário”, o “cliente” ou o “leitor” produz, quando o melhor seria pensar de forma inversa, pensar como um internauta faria. Acho que a BBC percebeu um pouco essa diferença e começou a “pensar” como um internauta. Esse é um ótimo rumo.

No próximo episódio, as grandes tendências

As grandes tendências:

  • A notícia deixa de ser um produto para se tornar um serviço.
  • As perspectivas para o conteúdo feito pelo usuário, antes imaginadas como centrais para a próxima era do jornalismo, agora aparecem mais limitadas.
  • E mais…

Audiência de sites de viagens cresce 87% ao ano

Nos dados de audiência de internet relativos a janeiro, destacam-se os sites de turismo. Acho curioso o dado, pois em outras épocas turismo mingüou na internet. Copio o press release do Ibope//NetRatings, empresa que faz a medição da audiência de internet nos domicílios de dez países e apresenta dados comparativos entre eles.

Em um ano Brasil ganhou 7,1 milhões de novos usuários

“Em janeiro de 2008, o total de internautas residenciais ativos foi de 21,1 milhões de pessoas, 1,4% menos que o mês anterior, porém 50% maior que os 14 milhões de janeiro de 2007, segundo o IBOPE//NetRatings. No período de um ano, o Brasil ganhou portanto 7,1 milhões de novos usuários ativos mensais de internet em domicílios, o maior crescimento entre os dez países medidos com a metodologia Nielsen//NetRatings. Quem mais se aproximou do crescimento brasileiro foram os Estados Unidos, com ganho de 4 milhões, e a França, que ganhou 3,2 milhões de usuários ativos de internet domiciliar entre janeiro de 2007 e janeiro de 2008.

O crescimento da internet residencial brasileira nos últimos meses é ainda mais exuberante que em anos anteriores. Desde 2005, o número mensal de internautas praticamente dobrou, ao evoluir de 10,7 milhões em janeiro de 2005 para 12 milhões em janeiro de 2006, para 14 milhões em janeiro de 2007 e finalmente para mais de 21 milhões em janeiro de 2008”, informou o analista de mídia do IBOPE//NetRatings José Calazans. Segundo o analista, mais residências com computadores e banda larga foi o principal motivo para esse crescimento.

Com 23 horas e 12 minutos por pessoa no mês, o Brasil também continuou liderando em tempo médio de navegação, à frente da França, que marcou 21 horas e 38 minutos, dos Estados Unidos, que têm 20 horas e 39 minutos, e da Austrália, que ficou com 19 horas e 13 minutos.

As categorias que apresentaram maior aumento percentual do número de usuários em janeiro na comparação com dezembro foram Viagens e Turismo (9,6%), Informações Corporativas (5,7%), Governo e Entidades sem Fins Lucrativos (4,8%) e Finanças e Investimento (2,6%). A maioria dos sites relacionados a viagens, como os de hospedagem, os das companhias aéreas, os de mapas e guias, os das operadoras e os de informações de turismo cresceram, o que levou a categoria a atingir o total de 6 milhões usuários residenciais em janeiro. Na comparação anual, os sites de viagens também registram o maior aumento percentual, com 87%, à frente de Casa e Moda, que cresceu 72%, e de Automotivo, que evoluiu 57%.

Os principais interesses dos brasileiros na internet concentram-se na categoria Buscadores, Portais e Comunidades, que tem 19,8 milhões de usuários únicos e tempo médio de 5 horas e 48 minutos mensais por pessoa, e na categoria Telecomunicações e Serviços de Internet, que tem 18,8 milhões de usuários e 5 horas e 19 minutos por pessoa.

Para todos os ambientes (residências, trabalho, escolas, lan-houses, bibliotecas, telecentros) o IBOPE//NetRatings continua indicando a marca de 39 milhões de pessoas com 16 anos ou mais de idade com acesso à internet, número relativo ao terceiro trimestre de 2007. Também trimestral, o total de pessoas com acesso residencial continuou a totalizar 32,1 milhões de indivíduos com 2 anos ou mais, número 45,5% maior que o do mesmo período do ano anterior.”

Mais informações em www.ibope.com.br

« Posts anterioresNext Page »