Arquivo da categoria: cparty

Julien Angry Birds Fourgeaud: aprender com fracassos

Julien Angry Birds #cpbr5 Julien Angry Birds #cpbr5

Fail. Falhe. Cometa enganos. Se Julien Fourgeaud pudesse dar apenas um conselho, é esse o que ele daria, disse durante sua palestra motivacional na Campus Party.

Ele fala inglês com sotaque do cozinheiro dos Muppets. “Com o timbre do Pato Donald”, completou meu marido. Mas quem sou eu para falar de timbres de voz, eu que engano até hoje desavisados pelo telefone que me pedem para chamar a mamãe ou outro adulto.

Voltando ao diretor de produtos da Rovio, empresa criadora do game Angry Birds, achei-o uma simpatia. Sei lá. Gostei do que ele falou, talvez cansada de tantas dicas preciosas sobre tanta coisa. As dele parecem boas: aprenda, aprenda, aprenda tudo sobre o que você acha que precisa e que não precisa.

No meio da palestra, um protesto acalorado de campuseiros que haviam sido roubados no camping interrompeu sua fala. Incomodado e muito rápido, ele provou que seu bordão “meu negócio é saber do que as pessoas precisam e fazer acontecer” não é de vento.

Acalmou a turba dizendo que iria organizar uma vaquinha para os que tinham perdido tudo e seria o primeiro a doar “vinte reais”. Crowdfunding legítimo, solução muito rápida e eficaz. Ele realmente pesca o que as pessoas precisam e faz acontecer. Lá foram os campuseiros irados discutir soluções em outro lugar, deixando a palestra continuar.

 

Arrisque, você se arrepende mais daquilo que não fez do que daquilo que fez (essa eu já ouvi que está entre as coisas ditas por quem está à beira da morte ou por idosos).

Rescaldo da Campus Party, a quermesse do mundo digital

ideias luminosas ideias luminosas

Levei meu filhotinho de 1 ano no último dia de Campus Party. Foi ótimo. Ele queria mexer em todos os mouses, teclados, cpus e fios que viu. Sei lá como essa nova geração entende o mundo digital, mas tenho a impressão que ele em breve me dará aulas sobre câmeras, celulares e computadores. Ele já sabe “folhear” as fotos que tirei na minha câmera. Aperta a flechinha e volta, imagem por imagem. Fala sério!

Bom, no último dia de Campus Party o Tony de Marco falou sobre o sucesso de sua série de imagens No Logo, que registraram o sumiço da publicidade nas ruas de São Paulo com a Lei Cidade Limpa. Ele comentou algo que faz sentido: depois da lei, a publicidade ostensiva e incômoda migrou para o subsolo, para o metrô.

Ainda na área de fotografia, a Gleice Bueno concluiu o workshop sobre o Olhar Estranho e o Edison Angeloni falou sobre Pin Hole digital, coisa que eu desconhecia. Adorei a paixão dele por traquitanas, por formas de registro simples e esquisitas, tipo barril com furinho, caixa de fósforo com furinho que registra tudo distorcido. Qualquer objeto vira uma câmera na mão de quem entende de pin hole, pelo que entendi. Será que alguém já tentou com uma concha? Na praia, sei lá, as idéias aparecem…

Marijô Zilveti gravou um vídeo para o Pictura Pixel e eu, como sempre muito envergonhada, fiquei megaencabulada diante da lente, pilotada por Hans Georg:

No rescaldo do #cparty ainda entra uma entrevista da Folha Online, que recebi no domingo, via formulário de contato do meu blog, sobre o melhor e o pior do evento. Copio minha resposta (não se sabe nunca o que sobrevive na edição):

1- O melhor da Campus Party é o encontro entre as pessoas. E a rede é feita pelas pessoas. Muitas se conhecem apenas pela internet e tem ali oportunidade de um encontro presencial. Campus Party é uma espécie de quermesse do mundo digital, no qual a comunidade confraterniza.

2- O pior da Campus Party: A cacofonia gerada pela proximidade entre os palcos e o volume do som do palco central. Neste ano, mal se ouviam as palestras, parecia uma feira do peixe onde bom cabrito é o que mais berra.

Fotografia no Campus Party: do zero ao tudo de bom

João Liberato João Liberato

Somente no início de janeiro que a área de fotografia do Campus Party foi oficialmente criada. A pressa bateu na minha prainha. Renato Targa (meu marido), coordenador da área no evento, topou o desafio binário: do zero ao 1 em poucos dias. O relógio já na contagem regressiva. Tique taque. Dois dias para montar uma grade de palestras e workshoops. Tique taque.

Procurei ajudar. Os amigos fotógrafos-buscadores-estudiosos toparam participar. A rapidez deu frutos. Oficialmente, ainda não é um coletivo, mas é oficialmente feliz esse encontro.

Eu não pude cobrir o evento como gostaria, mas o Fotocolagem faz isso diariamente, veja que bacana: Fotocolagem

Essa mesma foto aqui do post foi parar no blog de um site muito legal de fotografia, o PicturaPixel. Uma cobertura com muitos colaboradores, graças à ação da antenadíssima jornalista carioca Adriana Paiva: Pictura Pixel

O Fore escreveu sobre o segundo dia de fotografia no campus party.

Como eu disse outro dia, o melhor do #cparty são as pessoas e esse encontro feliz.

Bom cabrito é o que mais berra na Campus Party

Fotógrafos :) Fotógrafos :)

Entrei de gaiata no navio da Campus Party. Ancorei no porto da fotografia, em ilustre companhia. Renato Targa, Boi, João Liberato (na foto), Fábio Pazzini, Michelle Gomes, Aline Moura, Rafael Jacinto e os meninos da Cia de Foto, tudo isso no primeiro dia. E tem mais nas palestras e workshops da semana.

Para chegar às lonjuras da Imigrantes, fui de metrô e desci na estação Jabaquara. Voltei de carona, esmagada na Bandeirantes entre caminhões gigantes que transportam contêineres. Tá louco, que mico.

Da #cparty, tag que a gente usa para agregar posts, fotos e vídeos no livestream do BlogBlogs, eu trouxe algumas considerações:

1- Barulho infernal
Pensei que estava na feira do peixe. Na Campus Party, bom cabrito é que mais berra?

2- Programação de blogs legal
Não deu tempo de comentar, mas ficou bacana a grade do Campus Blog. Tentei chegar perto ontem da área, mas o lugar estava bombando, gente demais, e eu fui embora sem nem saber do que se tratava. Sei que reuniu muita gente.

3- A luz é uma m…
Olhei de nariz torto para minha coleção de fotos: por que não estava lá essas coisas? Resposta: a luz é uma porcaria. Ai que saudades das janelonas do prédio da Bienal.

4- Morri com a latinha de refrigerante na mão
Na lanchonete, não encontrei lata de lixo reciclável. O Jorge Cordeiro disse que elas existem, mas eu não achei. Mal sinal. Fiquei só na vontade de clicar o lixo orgânico misturado com o reciclável. Fui impedida pelo senso estético.

5- As pessoas são começo, o meio e o fim :)
O melhor disso tudo ainda é encontrar as pessoas e ter oportunidade de papear sobre besteiras.

6- Eu sou o @qualquercoisadotwitter
Fui apresentada a muita gente e percebi que a praxe é dizer o nome e depois como a pessoa assina no twitter. Esquisito para caramba. Não consigo guardar nomes, imagine avatares. Complicou para o meu lado.

7- Pena que não deu para ouvir
Volto para onde comecei. De que adianta um monte de palestras e debates interessantes se a gente não ouve nada? A #cparty virou uma cacofonia dos infernos?

Lembrei de uma viagem a Belém. Fui a uma festa da SBPC na zona da cidade, onde cada boteco/bordel punha uma caixa de som gigantesca na porta e tocava uma música diferente. Lembrei daquela competição grotesca em termos de decibéis e lamentei não ouvir o que os fotógrafos falavam na #cparty.

Mas descobri que alguém ali ouve até demais: Mr. Manson, com um microfone direcional, passa o tempo a ouveir a conversa alheia a metros de distância, sem que ninguém perceba. Aproveita para gravar e publicar na web a conversa. Tá bom para você?

Ronaldo Lemos fala sobre a tensão entre leis e internet

Ronaldo Lemos

Em relação ao direito autoral, a nossa constituição é uma das mais restritivas do mundo, explica Ronaldo Lemos, da Creative Commons Brasil. “A lei brasileira diz tudo o que você não pode fazer, mas ela não explica o que você pode fazer”, diz ele.

Falar em direito digital é entrar em terreno pantanoso, cheio de sombras mal explicadas e extensas áreas a descoberto. Ninguém sabe direito o que pode e não pode fazer na internet. Eu tenho a impressão, por exemplo, de que se comprar um CD na loja, pagar por ele, eu posso copiá-lo para o meu iPod. Mas não posso. Uma professora que participou da oficina sobre uso de blogs na educação durante o Campus Party me disse que tem a impressão de que se for para fins educativos, é permitido reproduzir uma obra. Basta dar os créditos e fica tudo certo. Mas não é permitido.

A legislação brasileira está totalmente defasada em relação às questões do mundo digital. No Brasil, a situação anacrônica soma-se ao fato de que como ninguém sabe o que é permitido, muita gente faz qualquer coisa. Basicamente, tudo é proibido. Não há quem verifique o cumprimento da lei e tudo acaba em pizza. Portanto, nada é proibido?

Ronaldo Lemos é uma das pessoas que pode explicar um pouco mais sobre esse cipoal de questões. Não por coincidência, eu e o Juliano Spyer, em seu remix colaborativo Não Zero, publicamos esta semana vídeos no YouTube e em nossos blogs com Ronaldo Lemos. Ele é o cara que pode dar uma luz sobre o assunto.

Vale a pena reunir em uma mesma lista as várias fontes para ouvi-lo. Ronaldo é um desses pensadores atentos para as novas fronteiras do mundo digital. Admiro sua postura de incentivo à colaboração da rede e morro de orgulho de ter sido ele quem escreveu o texto de apresentação da coleção Conquiste a Rede. Um texto inspirado e, ainda por cima, bonito, cheio de estilo. Esse mesmo estilo bacana a gente pode ver nesse post recente que ele publicou no Overmundo, Belém: do rock, da aparelhagem e de tudo o mais. Os novos caminhos da produção cultural aparecem desta vez em cenário transamazônico. Segue minha lista:

Livro para download grátis

Direito, tecnologia e cultura. Editado em 2005 pela Editora FGV, o livro está disponível para download no Overmundo. “Esta obra tem como objetivo investigar os desafios propostos ao direito em decorrência do advento da internet e da tecnologia digital. A relação entre direito e realidade sempre foi um tema central no pensamento jurídico”, diz Lemos logo no primeiro parágrafo.

Apresentações

1- Apresentação de Ronaldo Lemos sobre direito digital que seria feita durante a Campus Party e que ficou para depois, por problemas de equipamento.

2- Produção Cultural e Inclusão Digital nos Países em Desenvolvimento, palestra em inglês realizada nos EUA em novembro de 2007. Veja o vídeo, vale a pena: Cultural Production and Digital Inclusion in Developing Countries.

Meus vídeos:

3- Blogs e direito autoral

4- Posso copiar um CD que eu acabei de comprar na loja? Não, a lei brasileira não permite a cópia integral. Só permite cópias de pequenos trechos de obras. Você não pode copiar um CD inteiro para o iPod. Mesmo para fins não comerciais, fins educacionais, fins de pesquisa, você não pode.

5- Em casos de processos contra blogueiros, cabe a cada juiz decidir o que aconteceu.” A legislação brasileira não regulamenta a responsabilidade civil dos blogueiros.

Vídeos do Juliano Spyer

6- O direito autoral no Brasil

7- Xerox e direito autoral

8- Vale a pena lançar um livro em Creative Commons?

9- Por que o criador do Creative Commons agora estuda corrupção? Juliano, que fez estas entrevistas durante a Campus Party, conversa com Lemos sobre Lawrence Lessig, professor da Faculdade de Direito em Stanford que criou o Creative Commons. Em 2007, Lessig anunciou que mudaria o foco de suas pesquisas para corrupção.

Campus Party Brasil 2008

Campus Party Brasil 2008 Campus Party Brasil 2008

Foto de Pixel y Dixel, publicada originalmente aqui: http://www.flickr.com/photos/pixelydixel/2270612172/

Ela já foi reproduzida “n” vezes, já que está licenciada por Creative Commons. Valeu pela iniciativa de chamar todo mundo para uma pose. Apareço ali e concordo com o comentário do Manoel Neto: havia muito mais gente que não aparece. Segundo ele, 270 inscritos na área de Blog Camp.

Valeu, Pixel y Dixel!

PS: O rescaldo do Campus Party prosseguirá? Estou me sentindo parte do Corpo de Bombeiros, ainda trabalhando no assunto depois de dois dias.

Responsabilidade civil dos blogueiros no Brasil

Ronaldo Lemos, da Creative Commons Brasil, fala durante a Campus Party sobre a falta de regulamentação da responsabilidade civil dos blogueiros no Brasil. “Em casos de processos contra blogueiros, cabe a cada juiz decidir o que aconteceu”, diz ele.

Você pode acompanhar pelo pdf a apresentação do Ronaldo Lemos. Problemas no equipamento (para variar) impediram que ele mostrasse o que preparou para o Campus Party.

[youtube]http://youtube.com/watch?v=-eQ20M9xdQ0[/youtube]

Mais direito autoral

1- “Posso copiar um CD que eu acabei de comprar na loja para o meu iPod?“, pergunta Ronaldo Lemos durante palestra na Campus Party.

Não!!!!!

2- Posso colocar um MP3 do Caetano Veloso no meu blog?

Momento gracinha involuntária no Campus Party

Quando você sai gravando uma palestra, você não faz idéia do que a outra pessoa vai falar, não há um roteiro. De vez em quando, o registro sai totalmente sem pé nem cabeça, sem ponto de corte, um rascunho sem serventia. Em outras vezes, o vídeo fica fora de contexto, como nesse trecho da fala do Ronaldo Lemos. Não faço idéia do que ele dizia antes e o que disse depois.

Intrigante

“A resposta é essa pergunta é muito intrigante”, diz o diretor da Creative Commons no Brasil. “Porque ela é basicamente a seguinte: ninguém sabe a resposta.”

[youtube]http://youtube.com/watch?v=GaEDWEhxwjU[/youtube]

Niemeyer salva Campus Party da feiúra

Bienal in gold Bienal in gold

O Campus Party (ou a Campus Party, festa do Campus, estou em dúvida) foi lindo. Um evento cheio de vida, por isso mesmo lindo. Mas foram as curvas de Niemeyer que surpreendentemente funcionaram como antídoto antimonotonia visual.

No Campus Party, o forte do segundo andar, onde se realizavam as palestras, não era o cuidado com o cenário, com a ambiência. O segundo andar não era bonito. Havia longas bancadas. As bancadas eram ok. Bancadas cheias de pessoas interessantes, alguns amigos, muitos conhecidos, quer coisa mais linda? Isso era lindo.

bienal_curva

No mais, o segundo andar parecia um lego aloprado com peças em preto e azul. E só. De uma feiúra ímpar. Foi a primeira vez que senti alívio em contemplar um legítimo projeto Niemeyer de dentro dele. Porque o cara faz umas coisas inabitáveis, como o memorial JK, a biblioteca do Memorial da América Latina etc e etc. No Campus Party foi a primeira vez em que me senti adequada, em escala. Se fosse realizado em um Anhembi da vida, o Campus Party teria sido bem mais feio.

Mais bonito e com acústica

Sem a ajuda do projeto arquitetônico e sem o verde do parque entrando pelas janelas, arejando a visitação, o cparty teria sido ainda mais descuidado com o visual, virge! Para o próximo ano também seria legal pensar em um ambiente que, além de mais atraente e interessante tivesse boa acústica. O formato “feira do peixe” que se estabelecia entre os vários espaços com palestras simultâneas não é exatamente a melhor forma de conversar.

Ronaldo Lemos fala sobre direito autoral na Campus Party

Posso copiar um CD que eu acabei de comprar na loja para o meu iPod?“, pergunta Ronaldo Lemos durante palestra na Campus Party.

Não!!!!!

[youtube]http://youtube.com/watch?v=NyAlSj4lWlE[/youtube]

Direito digital no Brasil é um terreno superpantanoso, super-arcaico, super-do-arco-da-velha.

« Posts anterioresNext Page »