Estima-se que existam no Brasil 80 mil crianças em abrigos. Nem todas podem ser adotadas, porque têm situação jurídica indefinida, ou seja, a Justiça ainda não terminou de investigar as possibilidades de reinseri-la na própria família e ela permanece em um limbo. Muitas vezes o tempo passa e a criança cresce dentro da instituição. Triste assim.

Atentos a esse tempo de espera durante o qual a criança cresce institucionalizada, os próprios juízes, por meio da Associação dos Magistrados Brasileiros, resolveram lançar a campanha Mude um Destino, para incentivar as pessoas a receberem crianças que vivem em abrigos, seja para adoção, seja para um convívio de transição, junto a uma “família guardiã”.

Como adoção é antes de mais nada uma questão jurídica, uma verdadeira barafunda de questões, os juízes lançaram essa semana o Manual de Adoção, disponível para download, um documento bem elaborado e bem bacana.

Lembre-se

Acrescentado em 28/o8/08: Nesse manual você encontra algumas informações básicas, mas será preciso investigar melhor junto às instituições competentes tudo o que é necessário para adotar uma criança e conversar sobre as dúvidas que você tiver. Como não sou advogada, posso dar um palpite totalmente errado que vai mais desinformar do que ajudar.

A todos, recomendo seguir o caminho da legalidade e não optar pelo que é chamado de adoção à brasileira, ou seja, mentir e dizer que é pai ou mãe biológico da criança nos documentos. Os motivos para não fazer isso começam na própria criança, que tem direito a conhecer sua história.

A todos os que têm esse desejo de adotar uma criança eu recomendo aprender um pouco sobre como é o processo do lado de lá, do ponto de vista da criança. Procurar saber o que é bom para ela.

Recomendo procurar a Vara da Infância e Juventude, que poderá aconselhá-lo apropriadamente.

Torço para que você encontre uma criança e aumente a família em breve. Desejo felicidades e boa sorte.

Acrescentado em 16/07/09: Senado aprova nova lei para adoção de crianças

Acrescentado em 5/11/09: Associação dos Magistrados Brasileiros lança guia sobre novas regras de adoção